sábado, 19 de junho de 2010

O primeiro a ir embora

Lances de efeito, craques em alta e uma dose cavalar de emoção. Tudo o que faltou para Camarões e Dinamarca na estreia da Copa do Mundo apareceu neste sábado. Em uma partida com cara de decisão, a seleção escandinava levou a melhor e conquistou a vitória por 2 a 1, de virada, em Pretória. Com isso, se manteve na briga por uma vaga na próxima fase e de quebra eliminou a seleção africana do Mundial.
O resultado também confirmou a Holanda como a primeira classificada para as oitavas de final da Copa do Mundo. Já o Japão decide a outra vaga em disputa no grupo E com a Dinamarca na última rodada. Vale lembrar que os asiáticos terão a vantagem do empate.
Além de entrar em campo pressionada pela derrota na estreia, a seleção camaronesa passou a semana lidando com uma série de conturbações ligadas ao técnico Paul Le Guen. O francês foi acusado pelos jogadores de deixá-los fora de posição e ainda foi cobrado a mudar algumas peças do time. Dito e feito. Não só o treinador escalou a seleção no 4-4-2, com Eto’o centralizado, como promoveu as entradas de Geremi e Alex Song.
A Dinamarca não fez por menos e também entrou em campo renovada. O comandante Morten Olsen optou por um esquema mais tradicional, com dois homens de frente, além de escalar Gronkjaer e Tomasson, recuperado de lesão. Como resultado, as duas equipes mostraram evolução e protagonizaram uma partida eletrizante.
Assim como prometeram, os camaroneses começaram o duelo no ataque. E nem precisaram insistir muito para acabar com a seca de gols. Logo aos 10 minutos, Eto’o mostrou oportunismo dentro da área e não perdoou. Sua comemoração mostrou bem o sentimento do jogador e do restante da equipe: ele “lavou a alma” em uma cena de desabafo.
Na frente do placar, os Leões Indomáveis continuaram pressionando. Mas também se esqueceram da marcação. Melhor para a outra estrela do jogo, o centroavante Bendtner, que deixou tudo igual aos 33min depois de falha da defesa adversária. Após uma série de oportunidades para os dois lados, os dois rivais abusaram dos erros nas finalizações e tiveram que se contentar com o empate até o intervalo.
No início da etapa final, Camarões manteve a empolgação e seguiu pressionando. Mas isso não impediu a Dinamarca de criar bons lances nos contra-ataques. E foi assim que os escandinavos chegaram ao segundo gol. Aos 16min, Rommedahl aproveitou nova falha da defesa adversária pela esquerda e selou a virada.
A partir daí, o time africano foi todo para frente na base do desespero. Tentou por baixo, pelo alto e até criou outras chances. Mas nada foi suficiente para furar o bloqueio nórdico, que segurou o resultado até o fim.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Suíça vence a Espanha

Ninguém esperava que a primeira zebra desta Copa do Mundo apareceria na estreia da toda-poderosa Fúria. Em uma partida emocionante e muito nervosa, uma surpreendente Suíça derrotou a favorita Espanha por 1 a 0, nesta quarta-feira, no estádio Moses Mabhida, em Durban, pelo Grupo H.
Já no início de jogo a Espanha faz valer sua qualidade superior, com uma posse de bola impressionante e um máximo de dois toques na bola por jogador. As ações ofensivas dos espanhóis se contram no lado esquerdo, com Iniesta e Capdevilla. A Suíça apresenta um sistema defensivo compacto, mas sem recurso de contra-ataque.
A partida caminhava de maneira morna, até que Iniesta acordou a torcida. O meia do Barça pegou uma bola rebatida na entrada da área e fez um lindo passe, de primeira, deixando Piqué na em condições de marcar. O zagueiro aplicou um belo drible no marcador suíço, mas acabou chutando em cima do goleiro, que fechou muito bem a jogada.
Mas, aos seis minutos, a surpresa geral. Em rápido contra-ataque suíço, o primeiro do jogo, Derdiyok foi lançado e dividiu com Casillas. No rebote, Fernandes tentou duas vezes antes de marcar , para desespero da Espanha.
Com o gol, Del Bosque mudou a equipe e colocou o artilheiro Fernando Torres. O jogo passou a ficar completamente aberto, com a Espanha atacando como sempre e a Suíça ameaçando como nunca nos contra-ataques.Mesmo com a pressão, os Suíços souberam controlar o nervosismo e garantir um resultado histórico.

Uruguai goleia África do Sul

África do Sul e Uruguai entraram em campo com o peso de ter empatado na estreia e de precisar da vitória para pensar na classificação para as oitavas de final. Os Bafana Bafana apresentaram um futebol abaixo do esperado, já o Uruguai melhorou em relação à partida contra a França e saiu de campo vencedor, algo que não acontecia desde 1990. Celeste 3 a 0.

ÁFRICA DO SUL: Itumeleng Khune, Siboniso Gaxa, Aaron Mokoena, Katiego Mphela e Siphiwe Tshabalala; Steven Pienaar (Josephs - 31/2ºT), Teko Modise, Reneilwe Letsholonyane (Moriri - 11/2ºT) e Kagisho Dikgacoi; Lucas Thwala e Bongani KhumaloTécnico: Carlos Alberto Parreira

URUGUAI: Fernando Muslera, Maximiliano Pereira, Diego Lugano, Diego Godín e Jorge Fucile (Fernández - 25/2ºT); Diego Pérez (Gargani - 45/2ºT), Arévalo Ríos, Álvaro Pereira e Diego Forlán; Luis Suárez e Edinson Cavani (Fernandéz - 44/2ºT)Técnico: Oscar Tabárez

Alemanha é o destaque

A Alemanha venceu, convenceu e provou que está no grupo das favoritas ao título da Copa do Mundo. Neste domingo, os europeus derrotaram a Austrália por 4 a 0, em Durban, no Moses Mabhida.É bom ficar de olho na Alemanha porque entre os gigantes que já desfilaram em gramados sul-africanos, o time de Joachim Löw apresentou o melhor futebol. Antes de apresentar suas melhores armas, no entanto, os alemãs levaram um susto. Garcia aproveitou cabeçada de Neill e chutou em cima de Neur na pequena área.
Recomposta, a Alemanha não demorou para tomar conta do jogo. Aos oito, dois minutos depois de Klose perder ótima chance, Podolski completou jogada pela direita e chutou com força para marcar o primeiro gol da partida.
A Austrália não ameaçou reação, portanto, a seleção alemã continuou passeando na defesa adversária. E numa incursão ao ataque, Klose ganhou do goleiro e, de cabeça, ampliou.
Com uma variedade de jogadas e colocando a Austrália na roda, a Alemanha poderia ter feito até seis na primeira etapa. Entre as jogadas, destaque para abertura na direita com Müller e bola na área.
Nada mudou no segundo tempo. Cahill foi expulso e sepultou as poucas chances de reação da Australia. Melhor para Alemanha, que continuou dando show e mostrando seu futebol envolvente. Com o jogo nas mãos, Müller fez o terceiro gol para os alemães.
Quem completou o passeio da Alemanha foi um brasileiro nascido em Santo André, São Paulo. Cacau, que entrou no lugar de Klose, fez o quarto gol e decretou a goleada.
Agora a Alemanha enfrenta a Sérvia na próxima sexta-feira enquanto a Austrália joga contra a Gana no sábado.

ALEMANHA 4 X 0 AUSTRÁLIA
ALEMANHA: Neuer; Lahm, Mertesacker, A. Friedrich e Badstuber; Khedira, Schweinsteiger, Müller , Özil (Mario Gomez,29'/2ºT) e Podolski (Marin, 36'/2ºT); Klose (Cacau, 23'/2ºT). Técnico: Joachim Löw
AUSTRÁLIA: Schwarzer; Wilkshire, C. Moore, Neill e Chipperfield; Grella (Holman, Intervalo), Culina, Emerton (Jedinak, 29'/2ºT) e Valeri, Garcia (Rukavistka, 18'/2ºT) e Cahill. Técnico: Pim Verbeek.